6 Dicas de Como Adaptar as Crianças no Processo de Mudança


Para quem tem filhos...





Já falamos de escola (click aqui!), da adaptação do conjugue expatriado (click aqui!), inevitável falar de filhos, para aqueles que se aventuram para fora do país com filhos ou para aqueles que vão construir uma vida, uma família em terra nova.

Que aspectos devem ser considerados quando se muda de país com filhos ou quando os temos em outra parte do planeta? Para aqueles que já os tem a primeira e mais angustiante preocupação é a adaptação, será que vai encontrar a comida que ele (a) gosta, como vai ser com o idioma, como lidar com a nova escola, como acostumar-se sem familia, sem os amigos...



Pode parecer impossível, mas efetivamente as crianças se adaptam com inegável facilidade em relação aos adultos. Como já citei em outro post, não é indolor, apesar de rápido. Eles e você terão seus corações partidos no começo, nunca esqueço de um grupo de crianças que fizeram meu filho de 2 anos e meio chorar em um playground porque ele falava muito esquisito. Crianças podem ser cruéis, e você não poderá fazer muito mais que fortalecer seu filho para que ele possa superar essa etapa.




1 - Crianças menores possuem menos resistência que as maiores, dependendo da idade podem necessitar do apoio de tutores para ajudar na lição de casa, ou no aprendizado do idioma, na maioria das vezes é a escola quem vai determinar essa necessidade.

2 - A escolha da escola vai ser fundamental, pois eles ajudarão integralmente no processo de adaptação, boa parte do tempo a criança estará lá, longe dos seus olhos e braços protetores. Se nao se sentir segura a respeito disso busque mais, escute seu filho, uma criança feliz na escola é garantia de estar sendo bem tratada e cuidada.


3- Estabelecer uma relação de confiança com professores e direção, saber quais são os hábitos e costumes diferentes dos seus, adaptar gradativamente, empoderar seu filho para que seja capaz de lidar com situações de conflito, sem tirar a autoridade dos professores. Crianças maiores podem tirar proveito da situação e manipular pais e professores, é uma situação perigosa e você deverá estar atento para corrigir.

4 - Exemplo é tudo: Não importa a idade de seu filho, ele vai estar atento as suas reações e vai reagir a elas. Se perceber seu temor, angustia, preocupação excessivas pode criar mais insegurança, medo. Tente buscar o máximo de informações possíveis, encher-se de coragem e transmitir ao seu filho as vantagens incríveis de superar o desafio da adaptação e vivenciar a cultura de outro país. As crianças podem ser cruéis, mas também são naturalmente curiosas, muitos vão buscar a nova criança e terão curiosidade de saber como é a vida no Brasil, como é falar português, prepare seu filho (a) para lidar com estereótipos, como menino tem que jogar futebol e menina tem que dançar samba, por exemplo, bem como estar sob holofotes em alguns momentos.

 


Lembre-se que se você for resistente a adaptação cultural, passará sua resistência ao seu filho, seja na hora de comer, falar, lidar com conflitos naturais de uma adaptação, seu exemplo nunca será tão imitado, ele não tem nenhuma referência de como lidar com essas situações e você será esse ponto de partida.


5 - Para aqueles que são casados com estrangeiros: ter filhos em outro país poder ser uma experiencia enriquecedora e dificil ao mesmo tempo, observe as questões legais da sua permanência e direitos maternos/paternos, que pode ocorrer em caso de divórcio e questões de disputas pela guarda da criança, geralmente uma boa solução, se possível, é requerer a cidadania local para garantir que ambos pais tenham os mesmos diretos e obrigações em relação aos filhos. 


6 - Que idioma falar? Quando chegamos com filhos muito pequenos, ou que nascem em outro país, há uma tendencia natural da sociedade (as vezes mais se há familia local) e da propria criança a se acomodar e falar a lingua local, falamos um pouco mais sobre isso no post "Portugues como Lingua de Herança" (clique aqui).


No fim das contas, seja uma experiencia temporária ou permanente, voltando ao Brasil ou abrindo as asas para o mundo, criar filhos em outro país nos abre a mente para a diversidade cultural e abrimos um mundo inteiro de opcoes para nossos filhos. E acredite, nao há dinheiro que pague isso.




Escrito por:






Fabiana Giannotti, brasileira radicada no México desde 2008, praticamente uma expert em mudanças depois de encontrar e mudar para 8 casas em 7 anos, além de acumular experiências em tradução, aulas de português, corretagem de imóveis e assessoria para expatriados. Adoro escrever, conversar, fazer novos amigos, viajar. Me considero afortunada por viver no México, aprender a respeitar e conhecer essa bela cultura. Conhecer, adaptar-se, aprender, mudar, acostumar, respeitar, amar o diferente são algumas coisas que descobri nos últimos anos, além do fato que, por mais perfeito que seja o plano tudo pode mudar de repente...


Para quem busca serviços personalizados, tramite de documentação e assessoria no processo de expatriação ao México, além de todas as informações disponíveis no Blog oferecemos um serviço personalizado a suas necessidades: 


http://fabianagiannotti.wixsite.com/mudandoparaomexico



















Share:

0 comentários