Afinal, quem é Victoria Ruffo?

Vocês não podem acreditar, não tem dimensão, de quantos emails eu já recebi na vida de pessoas perguntando sobre uma tal Victoria Ruffo. São "Ruffomaníacos". Adotam seu sobrenome, choram , gritam....eeeee eu: nem sabia de quem estavam falando.
Mas como quem tem amigo tem tudo, acionei o especialista deste Blog em assuntos Televisa (e afins....) pra me contar, contar pra vocês taambém, quem é essa pessoa meu Deus!

Cansei de não saber quem era ela, agora, vou virar especialista...


Momento Novela...






Não é a do bairro mas a Maria que reina no chororô, e sempre lembra que passou malditos VINTE ANOS ATRÁS DAS GRADES (rsrs). Vic Ruffo também conquistou o Brasil, e o casal Victoria Ruffo x César Évora , é um dos queridinhos das novelas mexicanas.
Cá entre nós, só eu que acho que ela lembra muito a Mara Maravilha?

EMPECEMOS...




María Victoria Eugenia Guadalupe Martínez del Río Moreno, mais conhecida como Victoria Ruffo, nasceu na Cidade do México, México, em 31 de maio de 1962. Filha de Guadalupe Moreno Herrera e Ramón Martínez del Río, Victoria tem duas irmãs: Gabriela Ruffo, que também é atriz e apresentadora, e Marcela Ruffo, que se dedica a produções. Victoria é mãe de três filhos: José Eduardo Derbez, Victoria e Anuar Fayad.




SUA HISTÓRIA

Aos dezesseis anos, Victoria começa sua carreira como atriz, participando em fotonovelas ao lado de sua irmã Gabriela.

A primeira participação de Victoria em telenovela se deve a Ernesto Alonso, que a contratou para um papel em Conflictos de un médico, dividindo cenas com o ator Frank Moro, em 1980. Seu desempenho nesta produção lhe valeu a interpretação de filha de Miguel Palmer, em outra telenovela clássica, protagonizada pelo mesmo Moro e produzida pelo mesmo Alonso: Al rojo vivo, onde compartilhou créditos com Alma Muriel, Silvia Pasquel, entre outros grandes atores.

Em 1982, é outra vez Ernesto Alonso quem mais uma vez chama não somente Victoria Ruffo, mas também sua irmã Gabriela para se tornarem as filhas de Jacqueline Andere na telenovela Quiéreme siempre. Ainda neste ano, Victoria faz parte, junto de Maricruz Olivier, Laura Flores e Lilí Garza, do elenco juvenil de outra telenovela de sucesso e também produzida por Ernesto Alonso: En busca del paraíso.


Em 1983, é Valentín Pimstein quem dá a oportunidade de Victoria realizar seu primeiro papel protagônico em A fera, ao lado de Guillermo Capetillo. Esta telenovela obteve um remake brasileiro exibido pelo SBT em 2004 e se chamou Seus olhos. Já em 1985, Victoria interpreta uma jovem com deficiência visual, em Juana Iris, novela que aparece em cena ao lado de Valentín Trujillo.

Em 1987, Victoria recebe o primeiro papel protagônico em uma telenovela de Ernesto Alonso: Victoria, que teve como galã Juan Ferrara. Já em 1990, Victoria aceita fazer Simplesmente Maria, que já havia recebido um remake brasileiro em 1970, exibido pela TV Tupi, realizada a partir do original peruano, de 1969. A versão mexicana, protagonizada por Victoria conseguiu internacionalizar sua carreira, inclusive chegando a países de língua não hispânica, como o Brasil e a Rússia. Durante esta mesma novela, Victoria conhece Eugenio Derbez, com quem teve uma relação de vários e com quem teve seu primeiro filho José Eduardo, em abril de 1992.





Já em 1993, foi Luis Vélez quem se encarregou de oferecer à Victoria um bom papel protagônico em Capricho, onde contracenou com Humberto Zurita. Porém o êxito que conseguiu nesta telenovela não foi repetido em Pobre niña rica, uma novela de Antulio Jiménez Pons, que escolheu Ariel López Padilla para ser o galã da trama.

Em 1997, a relação de Victoria e Derbez se vê abalada, gerando, assim, uma separação, da qual Victoria sai muito deprimida, resultando ser a mãe e o pai de seu filho. Porém, com o apoio da família e de sua força interior, ela consegue seguir em frente.

Em 1998, Victoria Ruffo protagoniza, ao lado de Saúl Lisazo, uma produção de Juan Osorio, chamada Vivo por Elena.

No ano de 2000, participa da telenovela Abraça-me muito forte, onde interpreta Cristina, uma mulher madura que cresceu sob as ordens de seu pai, um homem incompreensível que não encontra ninguém que ame verdadeiramente sua filha. Nesta telenovela, ela protagonzia pela segunda vez o papel de uma deficiente visual, conseguindo uma credibilidade assombrosa por parte do público.

Em 2001, Victoria faz uma participação na série Mujer, casos de la vida real. É também nessa virada de século que ela conhece o amor ao lado de Omar Fayad, que a conhece em um jantar. Durante cinco meses saem como amigos até que, após esse tempo, decidem se comprometer se casando em março de 2001.

Em dezembro de 2003, Victoria fica grávida de gêmeos que nascem em 11 de agosto de 2004 e recebem o nome de Victoria, em homenagem à atriz, e Anuar, já que Omar não queria que seu filho levasse seu nome, procurando, assim, algo parecido.

Victoria regressa às telenovelas, em 2005, como protagonista da exitosa telenovela A madrasta, onde realiza o papel protagônico junto de César Évora, em uma história que foi capaz de conquistar todo o México, além de muitos países, como o Brasil.






Em 2007, ela grava pela segunda vez a telenovela que leva seu nome: Victoria, mas desta vez na Colômbia e não no México. Essa telenovela também abriu as portas ao seu reconhecimento por parte de outros países latino-americanos, onde participou em diferentes entrevistas e programas de emissoras que transmitiam a telenovela.

 En nombre del amor, em 2008, foi um sucesso mas obteve diversas críticas, já que sua personagem morreu após encontrar novamente a felicidade em meio a tantos sofrimentos.
A atriz participa da obra teatral Las arpías, com a qual consegue grande êxito, realizando apresentações por todo o México.
E teve mais choro no remake TRIUNFO DEL AMOR (super esperada no Brasil) em CORONA DE LÁGRIMAS, e a minha favorita LA MALQUERIDA.





SUAS ATUAÇÕES

TELENOVELAS
2016 - Las amazonas (Diana)
2014 - La malquerida (Cristina)
2012 - Corona de lágrimas (Refugio)
2010 - Triunfo del amor (Victoria)
2008 - En nombre del amor (Macarena)
2007 - Victoria (Victoria)
2007 - La madrastra… Diez años después (Maria)
2005 - A madrasta (Maria)
2000 - Abraça-me muito forte (Cristina)
1998 - Vivo por Elena (Elena)
1995 - Pobre niña rica (Consuelo)
1993 - Capricho (Cristina)
1989 - Simplesmente Maria (Maria)
1987 - Victoria (Victoria)
1985 - Juana Iris (Juana Iris)
1983 - A fera (Natalie)
1982 - En busca del paraíso (Grisel)
1981 - Quiéreme siempre (Julia)
1980 - Al rojo vivo (Pilar)
1980 - Conflictos de un médico

SÉRIES

2009 - La rosa de Guadalupe (Carolina)
2001 - Mujer, casos de la vida real (Carmelita)

FILMES

1986 - Un hombre violento (Susana)
1982 - Una sola y un caballo (Maricarmen)
1982 - De pulquero a millonario (Laura)
1982 - Un hombre sin miedo (Laura)
1980 - Perro callejero (Guadalupe)
1979 - Ángel del silencio (Fabianne)
1979 - Discoteca de amor (Jacqueline)

OUTROS PROGRAMAS

1993 - Al derecho y al Derbez


SEUS PRÊMIOS

1985 - Melhor atriz jovem (A fera)

2013 - Melhor atriz protagonista ( Corona de lágrimas)




Ufa, pelo menos agora eu, Melissa, sei quem é a tão citada Sra. Ruffo. Obrigada Nathan!


Escrito por:



Nathan Delfino, desde muito pequeno por volta dos 8 anos já fã inexplicavelmente da cultura mexicana (o que chegava a assustar os pais), até o espanhol aprendi autodidaticamente. O nérd da escola, ainda se destacou em dois festivais de dança infantil (2000-2001), que ganhou ambos em segundo lugar, e a partir de 2007 em uma cia de teatro amador da cidade de Torres-RS, tendo aulas de teatro em SC em 2011, em busca de me especializar na área.
Em 2010, uma rápida passagem como modelo fotográfico, mas no mesmo ano uma decisão foi tomada: unir dois sonhos, o profissional (seguir carreira na atuação) com o pessoal (ir para o lugar dos meus sonhos o México); e a partir de então levando isso a serio, e driblando os preconceitos em 2012, criei um blog como forma de me expressar, e falar sobre aquilo que para mim era importante. 

Share:

1 comentários

  1. Maravilhosa Victoria Ruffo, grande e talentosa atriz... Simplesmente a rainha dos remakes e das telenovelas mexicana... Amo minha diva master <3
    Para mim a pior novela da Vicky Ruffo é "La Malquerida", pelo simples fato do escritor não ter dado valor nessa grande estrela, encurtando cernas e por quase não aparecer na novela...O que dá a entender que só usaram a imagem da Ruffo, já que os protagonistas Cristian Meyer e Ariadnes Dias, são 2 "chatonildos" rsrsrs

    ResponderExcluir